terça-feira, 10 de fevereiro de 2009

...E O FOGO SE APAGA




Isso uma hora acaba acontecendo. Quando a gente se apaixona, tanta coisa passa pela nossa cabeça, menos a possibilidade de que aquele turbilhão de sentimentos, muitas vezes tão bons, pode acabar... Mas acaba. E quando isso acontece é ai que surge o Amor. Amar, digo sempre, é uma postura, porque quando acaba a paixão, o calor dela, sobra a escolha de ter ou não respeito por aquilo que se construiu com o (a) parceiro (a). E isso não tem preço. Isso é Amor. Amar vai além do que nosso enganoso coração pode sentir. Interesse, vontade, excitação, tesão, nada disso é Amor, embora todos esses requisitos também sejam básicos para o desenvolvimento deste.
Amar é, segundo o dicionário, ter dedicação ou devoção, prezar, preferir, escolher, praticar.
"Amo-te, é certo; adoro-te, confesso." (Humberto de Campos) Conclui-se: é atitude, é escolha, não apenas sentimento. O calor da paixão passa para que tenhamos a oportunidade de escolher se queremos ou não o rumo apresentado para nossa vida. Isso não é conformismo, é ação. Amar nem sempre é romântico, é realista. O certo, porém, é que todos podem passar por isso. Desejo sorte a quem está nessa dúvida. E aconselho: AME!






4 comentários:

...vdj... disse...

Belo texto... e bem escrito.

Tens toda a razão no que disse.
Trocar o certo(?) pelo duvidoso(?) pode ser um caminho sem volta.
Nada como o dia-a-dia e a cabeça no lugar para priorizarmos o que realmente é vaioso para estar conosco.

As vezes correr riscos é bom, porém saibamos que nesse jogo não há empate, é ganhar ou perder.

Saudações e abraços!

[]'s
.
.
.

TYNISSYA FADÁRIA disse...

Nossa, falar sobre o amor realmente é algo muito mais abrangente, em uma relação de afeto, companheirismo, amizade livre de cobranças e apegos, olhar o outro com suas limitações, defeitos, qualidades, ,descobriremos que o amor supera os limites da matéria para algo Universal.

Emanuelle disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Emanuelle disse...

Ótimo texto...
Tem toda razão.
A paixão nos invade como uma irresistível e intensa atração, muitas vezes pela sensualidade. Como este sentimento não tem consórcio com a verdade, cai e míngua com a mesma velocidade e intensidade com que apareceu. No fundo, todos desejamos felicidade, mas não alcançamos porque o imediatismo nos cega e procuramos o falho sentimento tampão, a paixão.
E em meio a sentimentos como é difícil escolher, mas nada que o tempo, e necessário encontrar-se primeiro e estará a caminho de grande sabedoria.