quarta-feira, 18 de março de 2009

LUTO 3: É O FIM...



É, agora acabou. Diz o ditado, rei posto... Não sei se haverá outro que ocupe seu lugar. Acredito que não. Espero que não...
Havia deliberado, intimamente, que dedicaria três postagens a esse homem feminino chamado Clodovil Hernades. Sei que há quem não entenda essa verdadeira veneração que sinto, não apenas por ele, mas pelo o que ele representava e para esses, digo algo: Faltam, nesse tempo, pessoas de coragem como tinha Clodovil. Repito o que disse anteriormente, não quero canonizá-lo postumamente, nem prestar homenagens hipócritas à quem nunca as verá, mas não posso calar minha emoção, por que o ouvi diversas vezes dizendo coisas que os pais de hoje não dizem mais aos seus filhos, conselhos que os avós se esquecem de dar aos netos, palavras que deveriam ser ditas pelos casais. Eu vi e ouvi tudo isso e levarei para sempre comigo, ninguém apagará. Assim como não há quem apague da memória do povo tudo de bom que Clodovil deixa como legado. Infelizmente ele que tanto falava, morreu calado. Quem terá ouvido sua voz pela última vez?
Ele foi polêmico? Sim, certamente que foi, mas quem nunca polemizou sobre algo? Ou, quem nunca sentiu vontade. Ele fez tudo isso. Finalizo este ultima postagem sobre Clodovil, com uma frase que ele costumava sempre dizer e que eu a tomei como lema de vida:

“Eu não me arrependo do que fiz, mas sim do que não pude fazer”.

A vida é muito curta e nem sempre é possível fazer tudo o que se quer. Eu vou viver o quanto puder e fazer o que mais me faz feliz. Sempre. Vá em paz, amigo de alma!

4 comentários:

Sil disse...

Os meus comentários são mesmo sem pé nem cabeça! São singelos, amarelos,
mas sinceros.
Eu hoje fico feliz em não ter me intimidado pela sua impáfia inicial no ano de 2001 na ufac. Lulu vc cresceu tanto
que de tanto crescer, agora se expande... e emana...
És belo escrevendo, disfarçando um tropeço, discutindo idéias, escrevendo, cantando música e contado seu texto.
Éxito para ti :)

...vdj... disse...

Tá, parô!
3 tá de bom tamanho...

[]'s
.
.
.

Antonio Isnard disse...

CLODOVIL SABIA,COMO POUCOS,EXPRESSAR SUA INDIGNAÇÃO E AINDA SER APLAUDIDO POR ISSO.

Océlio Lima disse...

É. Somos mesmo perecíveis,pelo menos com relação à matéria, nosso corpo tem prazo de validade, mas algumas pessoas sabem fazer diferença quando passam por aqui.O Clodovil fez isso muito bem e vc certamente, então está explicada sua admiração por ele.Eu tb sinto o mesmo.As pessoas de coragem assim como esse "homem feminino" foi,nunca morrem, são eternas.
Gostei muito!!!